REVISTA DOS TRIBUNAIS

thomson reuters

BLOG | REVISTA DOS TRIBUNAIS

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Senado aprova fim da saída temporária de presos

Senado aprova fim da saída temporária de presos

livros sobre processo penal

O fim da saída temporária de presos, popularmente conhecida como “saidinha”, marcou uma decisão significativa do Senado Federal em 20 de fevereiro de 2024. Após um longo período de tramitação no Congresso Nacional, que se estendeu por cerca de treze anos, a medida foi aprovada em regime de urgência, provocando reações polarizadas e debates intensos sobre suas implicações na segurança pública, na reintegração social e nos direitos humanos.

A saída temporária de detentos em regime semiaberto sempre foi um tema sensível no Brasil. Tradicionalmente, essa permissão era concedida em datas comemorativas e feriados, proporcionando aos presos a oportunidade de passar um curto período fora das prisões, sob a justificativa de promover a reinserção social e o contato com os seus familiares. No entanto, a prática também gerava controvérsias devido aos casos de fugas, crimes cometidos durante as saídas e a sensação de impunidade que isso poderia gerar na sociedade.

A Decisão do Senado sobre a Saída Temporária e Suas Implicações na Segurança Pública

Com a aprovação no Senado, o texto proposto visa restringir essas saídas temporárias, mantendo apenas algumas exceções para situações específicas. Além da permissão para estudar, trabalhar ou participar de atividades religiosas, o projeto prevê a realização de exames criminológicos para progressão de regime, o uso de tornozeleiras eletrônicas para monitoramento dos presos em liberdade condicional e a proibição de frequentar determinados locais para condenados por crimes específicos.

Os defensores do fim da saída temporária argumentam que essa medida é essencial para fortalecer a segurança pública e reduzir a reincidência criminal para garantir a segurança em ambientes públicos. Ao restringir as saídas temporárias, especialmente em datas festivas, espera-se diminuir o risco de ocorrência de crimes, especialmente os de natureza violenta, que poderiam ser cometidos durante esses períodos de liberdade temporária. Além disso, a medida busca garantir que os condenados cumpram integralmente suas penas, promovendo um senso de justiça para as vítimas e a sociedade em geral.

Por outro lado, há quem critique essa decisão, argumentando que a saída temporária desempenha um papel crucial na reintegração social dos detentos. Para muitos presos, esses períodos fora da prisão representam uma oportunidade de reconectar-se com suas famílias, buscar emprego ou educação e, assim, preparar-se para uma eventual reinserção na sociedade após o cumprimento da pena. Limitar essas saídas temporárias pode ser visto como uma medida que prejudica esse processo de reintegração e ressocialização, dificultando a recuperação dos presos e aumentando as chances de reincidência no crime.

Segurança Pública vs. Direitos Humanos

Além disso, algumas vozes críticas destacam que o fim da saidinha pode representar uma violação dos direitos humanos dos presos. Embora seja importante garantir a segurança pública e a justiça para as vítimas, também é essencial respeitar a dignidade e os direitos fundamentais dos indivíduos privados de liberdade. Limitar drasticamente suas oportunidades de contato com o mundo exterior pode ser interpretado como uma forma de punição cruel e desumana, que não contribui efetivamente para a resolução dos problemas do sistema prisional.

Diante desse cenário, o projeto segue agora para análise na Câmara dos Deputados, onde poderá ser alvo de modificações antes de ser submetido a votação em plenário. É esperado que o debate sobre o fim da saída temporária de presos continue muito intenso, envolvendo diferentes setores da sociedade e exigindo uma análise cuidadosa de todos os argumentos e consequências envolvidas. Afinal, encontrar um equilíbrio entre a necessidade de segurança pública, a justiça para as vítimas e o respeito aos direitos humanos dos presos é um desafio complexo, que requer um diálogo aberto e inclusivo para se alcançar soluções eficazes e socialmente justas.

Clique aqui e saiba mais sobre o tema com as obras:

capa do livro processo penal em fundo salmão e vermelho capa do livro "prisão" em fundo roxo

Mais lidas

Post Relacionado

lançamentos de julho

Lançamentos de Julho

As novidades do universo jurídico chegam com uma coleção de lançamentos de julho imperdíveis para os profissionais do Direito, trazendo obras que abordam desde os