REVISTA DOS TRIBUNAIS

thomson reuters

BLOG | REVISTA DOS TRIBUNAIS

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Lula assina GLO para atuação de militares em portos e aeroportos de SP e RJ contra crime organizado

Lula assina GLO para atuação de militares em portos e aeroportos de SP e RJ contra crime organizado

Lula assina GLO para atuação de militares em portos e aeroportos de SP e RJ contra crime organizado

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou nesta quarta-feira decreto para estabelecer uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) pelas Forças Armadas para apoiar as polícias estaduais na atuação em portos e aeroportos no Rio de Janeiro e em São Paulo, na tentativa de combater o crime organizado em meio a uma onda de violência.

Ao assinar o decreto, Lula disse que a GLO é específica para os portos de Itaguaí (RJ) e Santos (SP) e para os aeroportos do Galeão (RJ) e de Guarulhos (SP). Acrescentou, ainda, que as Forças Armadas atuarão em cooperação com a Polícia Federal. A GLO valerá até maio de 2024, com 1.100 homens da Marinha e 600 da Aeronáutica.

“Tomamos a decisão de fazer com que governo federal participe ativamente do combate ao crime organizado. Espero que dê certo”, disse Lula, ao comentar que a situação no Rio de Janeiro chegou a “um ponto muito grave”.

O anúncio foi feito após uma série de casos de violência provocada pelo crime organizado no Rio de Janeiro, em meio a disputas territoriais por diferentes facções envolvidas com o tráfico de drogas e milícias que controlam bairros inteiros em algumas áreas da cidade.

A decisão de ampliar a presença das Forças Armadas foi tomada apesar da resistência inicial de Lula, que, na sexta-feira, em entrevista, chegou a afirmar que enquanto fosse presidente não haveria GLO no país e que não queria militar “nas favelas trocando tiro com bandidos”.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, disse em entrevista coletiva após a fala inicial de Lula que a GLO será “diferente de todas as que foram feitas no Brasil” antes, uma vez que incidirá apenas em áreas que já são federais.

A GLO é um tipo de operação militar determinada exclusivamente pelo chefe do Executivo e efetivada pelas Forças Armadas a fim de preservar a ordem pública. Ela só pode ser instaurada em caso de esgotamento de outros instrumentos previstos pela Constituição, como o uso das polícias na manutenção da segurança pública.

Com a GLO, as Forças Armadas poderão fazer toda atividade de policiamento nos portos e aeroportos, disse o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro.

“Em regime normal as operações da Marinha e Aeronáutica são limitadas, Com as operações essas forças poderão atuar diretamente”, disse o ministro. “A GLO dará poder de polícia às forças dentro dos portos e aeroportos”.

As autoridades também anunciaram um reforço na atuação das Forças Armadas nas fronteiras do país nos Estados do Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, por onde entram drogas e armas. O Exército, que já tem autorização para atuar na região sem necessidade de GLO, ampliará sua presença para 2 mil homens.

Nos próximos meses haverá ainda reforços de equipamentos e efetivos da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional em São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná, acrescentaram as autoridades.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, disse que outros portos e aeroportos do país podem ser incluídos na GLO “se a inteligência indicar necessidade”.

Também será criado um comitê de acompanhamento integrado por Forças Armadas e Polícia Federai, funcionando sob coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública e do Ministério da Defesa. A PF ainda ampliará as ações de inteligência e as operações de prisões e apreensões de bens pertencentes às quadrilhas e milícias, especialmente no Rio de Janeiro.

 

Mais lidas

Post Relacionado

lançamentos de julho

Lançamentos de Julho

As novidades do universo jurídico chegam com uma coleção de lançamentos de julho imperdíveis para os profissionais do Direito, trazendo obras que abordam desde os