REVISTA DOS TRIBUNAIS

thomson reuters

BLOG | REVISTA DOS TRIBUNAIS

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

CPI do 8 de janeiro aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro e generais

CPI do 8 de janeiro aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro e generais

CPI do 8 de janeiro aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro e generais

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investigou os ataques às sedes dos Três Poderes em Brasília no dia 8 de janeiro aprovou, nesta quarta-feira, o relatório da senadora Eliziane Gama (PSD-MA) que pede o indiciamento do ex-presidente Jair Bolsonaro e dos generais da reserva Walter Braga Netto e Augusto Heleno por tentativa de golpe de Estado e outros crimes.

Aprovado pela CPI mista por 20 votos a 11, o relatório deverá ser encaminhado agora a órgãos como o Ministério Público, o Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministério Público Militar e a Advocacia-Geral da União (AGU). Cabe ao MP decidir se indiciará o ex-presidente e os demais apontados pelo documento.

Bolsonaro também é alvo de pedido de indiciamento pelos crimes de associação criminosa, violência política e tentativas de abolição do Estado democrático de direito.

Primeiro da lista de sugestões de indiciamentos no relatório da CPMI, Bolsonaro é apontado como responsável direto e mentor moral dos ataques de 8 de janeiro, quando vândalos bolsonaristas radicais, inconformados com o resultado eleitoral que conferiu vitória ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, invadiram e depredaram o Palácio do Planalto e os prédios do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Questionado por jornalistas ao sair de um depoimento à Polícia Federal no âmbito de investigação sobre grupo de empresários que supostamente defendiam um golpe de Estado em mensagens de aplicativo, Bolsonaro afirmou que o relatório da CPMI é parcial.

O ex-presidente insinuou que a relatora teria atuado como subalterna do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, que tem base política no Maranhão, assim como a senadora.

“Completamente parcial. A funcionária de Flávio Dino recebeu com toda a certeza aquilo já pronto e entregou. É um absurdo”, disse Bolsonaro.

No relatório, Eliziane também pede os indiciamentos de Braga Netto, que foi ministro da Defesa e da Casa Civil sob o governo Bolsonaro e candidato a vice na eleição de 2022, e de Heleno, que chefiou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) na administração passada.

Para Eliziane, a retórica adotada pelo ex-presidente ao longo de seu mandato preparou o terreno para as ações antidemocráticas que resultaram nos eventos de 8 de janeiro.

“Normalizada no primeiro escalão da República, a virulência verbal se disseminou entre o cordão de apoiadores do ex-presidente… em uma escalada de agressividade e intolerância que culminaria com tentativa de supressão material da própria oportunidade de diálogo, por meio do ataque às instituições democráticas”, afirmou.

CAPÍTULOS

A senadora dividiu seu relatório em capítulos que destrincham, em suas palavras, temas como a atuação de milícias digitais na propagação de desinformações, a cooptação política das forças de segurança e o aparelhamento da Polícia Rodoviária Federal, além da estratégia armamentista da gestão anterior. A senadora também mencionou os acampamentos de apoiadores do ex-presidente em frente a quartéis e instalações militares pelo país.

O parecer cita ainda sistemáticos ataques à democracia, ao sistema eleitoral e a suas instituições por parte de Bolsonaro e seus aliados, além de tentativas de obstrução das eleições entre o primeiro e o segundo turnos e do esforço pela anulação das eleições em que o ex-presidente foi derrotado.

“Não se pode analisar o dia 8 de janeiro como um ato isolado, desvinculado de quaisquer acontecimentos pretéritos, como o dia 12 de dezembro (ataque à sede da Polícia Federal em Brasília); ou o dia 24 de dezembro (colocação de artefato explosivo em um caminhão-tanque nas proximidades do Aeroporto Internacional de Brasília)”, disse a relatora no texto.

O parecer que Eliziane sugere ainda a adoção de medidas para prevenir futuros ataques à democracia e às instituições.

Propõe, por exemplo, que seja oficializado, por lei, o Dia Nacional de Defesa da Democracia, informalmente comemorado no dia 25 de outubro, data do assassinato do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, durante o regime militar no Brasil.

Durante a votação, membros da oposição criticaram o relatório de Eliziane, sob o argumento de que não haveria provas contra o ex-presidente. Também questionaram a ausência de sugestão de indiciamento do ex-ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) Gonçalves Dias, que chefiava o órgão no dia das invasões. Parlamentares da oposição insinuaram que ele teria sido omisso durante os atos.

“Veja: a relatoria desta CPMI facilitou e protegeu G. Dias em seu depoimento e no seu relatório”, disse o senador Marcos Rogério (PL-RO). “Por outro lado, a relatora sugeriu o indiciamento de Bolsonaro, o ex-presidente Jair Bolsonaro, sem nenhuma evidência de sua participação”.

 

(Reportagem de Eduardo Simões, em São Paulo, e Maria Carolina Marcello, em Brasília)

Mais lidas

Post Relacionado

lançamentos de julho

Lançamentos de Julho

As novidades do universo jurídico chegam com uma coleção de lançamentos de julho imperdíveis para os profissionais do Direito, trazendo obras que abordam desde os