REVISTA DOS TRIBUNAIS

thomson reuters

BLOG | REVISTA DOS TRIBUNAIS

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Terremoto no Japão deixa quase 50 mortos; equipes de resgate tentam encontrar sobreviventes

Terremoto no Japão deixa quase 50 mortos; equipes de resgate tentam encontrar sobreviventes

Terremoto no Japão deixa quase 50 mortos

Por Kiyoshi Takenaka e Sakura Murakami e Kantaro Komiya

WAJIMA, Japão (Reuters) – Pelo menos 48 pessoas morreram depois que um forte terremoto atingiu o Japão no dia de Ano Novo, e as equipes de resgate buscavam nesta terça-feira chegar a áreas isoladas onde edifícios foram derrubados, estradas destruídas e a energia cortada para dezenas de milhares de casas.

O terremoto, com magnitude preliminar de 7,6, ocorreu na tarde de segunda-feira, fazendo com que as pessoas nas áreas costeiras fugissem para terrenos mais altos, enquanto ondas de tsunami atingiam a costa oeste do Japão, arrastando carros e casas para a água.

Uma equipe de resgate de 3.000 pessoas composta por militares, bombeiros e policiais foi enviada ao local do terremoto na península de Noto, na província de Ishikawa.

“A busca e o resgate das pessoas afetadas pelo terremoto é uma batalha contra o tempo”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida durante uma reunião de emergência na terça-feira, vestindo uma roupa azul comumente usada por autoridades durante operações de socorro em desastres.

Kishida afirmou que os socorristas estavam encontrando muita dificuldade para acessar a ponta norte da península de Noto, onde os levantamentos feitos por helicópteros descobriram muitos incêndios e danos generalizados a edifícios e infraestrutura. Havia cerca de 120 casos de pessoas aguardando resgate, disse o porta-voz do governo.

Muitos serviços ferroviários e voos para a área foram suspensos. Mais de 500 pessoas ficaram retidas no aeroporto de Noto, que foi fechado devido a rachaduras na pista e na estrada de acesso e a danos no prédio do terminal.

Em Suzu, uma cidade costeira com pouco mais de 5.000 habitantes, próxima ao epicentro do terremoto, até 1.000 casas podem ter sido destruídas, de acordo com o prefeito Masuhiro Izumiya.

“A situação é catastrófica”, disse ele.

As autoridades confirmaram 48 mortes, todas na província de Ishikawa, tornando-o o terremoto mais letal do Japão desde pelo menos 2016, quando um terremoto de magnitude 7,3 atingiu Kumamoto, na ilha do sul do Japão, matando mais de 220 pessoas.

Muitos dos mortos estão em Wajima, uma cidade na remota ponta norte da península de Noto.

Muitos outros ficaram feridos e as autoridades estavam lutando contra as chamas em várias cidades na terça-feira e retirando pessoas de prédios desabados.

“Nunca vivenciei um terremoto tão forte”, disse Shoichi Kobayashi, de 71 anos, morador de Wajima, que estava em casa fazendo uma refeição comemorativa de Ano Novo com a esposa e o filho quando o terremoto ocorreu, fazendo com que objetos voassem pela sala de jantar.

“Até mesmo os tremores posteriores tornaram difícil ficar em pé”, afirmou ele, acrescentando que a família estava dormindo no carro porque não podia voltar para sua casa seriamente danificada.

Cerca de 200 tremores foram detectados desde o terremoto de segunda-feira, de acordo com a Agência Meteorológica do Japão, que alertou que mais abalos fortes poderiam ocorrer nos próximos dias.

 

Mais lidas

Post Relacionado

lançamentos de julho

Lançamentos de Julho

As novidades do universo jurídico chegam com uma coleção de lançamentos de julho imperdíveis para os profissionais do Direito, trazendo obras que abordam desde os