REVISTA DOS TRIBUNAIS

thomson reuters

BLOG | REVISTA DOS TRIBUNAIS

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Provável interina da PGR é eleita por Conselho Superior do MPF

Provável interina da PGR é eleita por Conselho Superior do MPF

Provável interina da PGR é eleita por Conselho Superior do MPF

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – A subprocuradora-geral da República Elizeta Maria de Paiva Ramos foi eleita nesta terça-feira, por aclamação, como vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF), cargo que, em caso de vacância do procurador-geral da República, Augusto Aras, comandará interinamente a instituição.

A eleição de Elizeta é importante porque Aras deixa o comando da PGR no dia 26 de setembro.

Se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não indicar o sucessor de Aras e o Senado não tiver aprovado a escolha até lá, o que parece que vai acontecer, Elizeta Ramos será quem comandará interinamente a PGR.

Atualmente, Elizeta é coordenadora da Câmara de Controle Externo da Atividade Policial e Sistema Prisional, tendo também já atuado como corregedora-geral e procuradora eleitoral substituta, entre outros cargos.

Não seria a primeira vez que uma interinidade no comando da PGR ocorreria. No segundo mandato de Lula em 2009, a então subprocuradora-geral da República Deborah Duprat ficou no cargo por 22 dias e, na ocasião, desengavetou uma ação sobre aborto de anencéfalos e moveu outros processos polêmicos no Supremo Tribunal Federal.

Elizeta, aposta um destacado integrante do MPF, tem um perfil de trabalho discreto e não deverá fazer qualquer tipo de movimento importante durante sua eventual interinidade, uma vez que estaria prestes a se aposentar da instituição.

Segundo fontes ouvidas anteriormente pela Reuters, a disputa para o comando da PGR estava principalmente entre os subprocuradores-gerais da República Paulo Gonet, atual vice-procurador-geral eleitoral, e Antonio Carlos Bigonha, ex-presidente da Associação Nacional dos Procuradores (ANPR).

A indicação dos procuradores-gerais tem sido uma das principais escolhas feitas pelos presidentes da República nas duas últimas décadas. Cabe ao chefe do Ministério Público Federal realizar investigações criminais contra o próprio presidente, deputados e senadores, além de questionar atos do governo perante o Supremo.

As gestões federais petistas passadas foram alvo de várias investigações de escolhidos pelo próprio Lula e pela ex-presidente Dilma Rousseff.

Mais lidas

Post Relacionado

lançamentos de julho

Lançamentos de Julho

As novidades do universo jurídico chegam com uma coleção de lançamentos de julho imperdíveis para os profissionais do Direito, trazendo obras que abordam desde os