REVISTA DOS TRIBUNAIS

thomson reuters

BLOG | REVISTA DOS TRIBUNAIS

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Lula defende que aborto seja discutido como questão de saúde pública

Lula defende que aborto seja discutido como questão de saúde pública

Lula apontando dedo

SÃO PAULO (Reuters) -O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça-feira que o aborto seja discutido como uma questão de saúde pública, apesar de reiterar sua oposição pessoal ao procedimento, argumentando que não se pode obrigar uma menina a ter uma criança gerada por um estupro.

“Eu, Luiz Inácio Lula da Silva, sou contra o aborto. Para ficar bem claro. Agora, enquanto chefe de Estado, o aborto tem que ser tratado como questão de saúde pública”, disse Lula em entrevista à rádio CBN.

“Você não pode continuar permitindo que a madame vá fazer um aborto em Paris e que a coitada morra em casa tentando furar o útero com uma agulha de tricô. Esse é que é o drama que nós estamos vivendo”, acrescentou.

Na entrevista, Lula foi questionado sobre a pauta de costumes no Congresso Nacional, que inclui a investida de deputados conservadores e ligados a igrejas evangélicas para avançar com um projeto de lei que equipara o aborto após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio, mesmo nos casos em que o aborto é permitido pela legislação brasileira, como para vítimas de estupro.

A Câmara dos Deputados aprovou na semana passada a urgência para tramitação da proposta, o que significa que ela irá diretamente a plenário sem passar antes por comissões temáticas da Casa, abreviando o debate sobre a proposta no Parlamento.

Diante da forte reação contrária à medida por parte da opinião pública, o projeto de lei perdeu força na Câmara e aliados do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), que patrocinou a votação da urgência para a proposta, têm dito que não há prazo para que ela seja votada.

Na entrevista à CBN, Lula negou ter subestimado a tramitação de pauta sobre costumes e afirmou que este não é o debate mais importante para o país no momento.

“Nós não tínhamos no Brasil a experiência de uma extrema-direita ativista como nós temos hoje. E uma extrema-direita pouco pragmática na política”, disse Lula. “Essas pautas de costumes, eu até nem gosto de discutir isso, porque isso não tem nada a ver com o que nós estamos vivendo”.

O presidente disse ainda ser “crime hediondo” obrigar uma criança que foi estuprada a ter o filho do estuprador.

“Não tem nada a ver ficar discutindo aborto legal, aborto ilegal. O que nós temos que discutir é o seguinte: quem está abortando, na verdade, são meninas de 12, 13, 14 anos. É crime hediondo um cidadão estuprar uma menina de 10, 12 anos e depois querer que ela tenha um filho.”

(Por Fernando Cardoso e Eduardo SimõesEdição de Tatiana Ramil e Pedro Fonseca)

Mais lidas

Post Relacionado

lançamentos de julho

Lançamentos de Julho

As novidades do universo jurídico chegam com uma coleção de lançamentos de julho imperdíveis para os profissionais do Direito, trazendo obras que abordam desde os